Dezembro 3, 2020

Novo filme da Disney, ‘Mulan’ é alvo de pedidos de boicote na Ásia

Um dos primeiros filmes a serem lançados após o fechamento, e subsequente reabertura parcial, de cinemas em 2020 devido à pandemia de Covid-19, a versão live-action de Mulan, novo longa da Disney, está sofrendo pedidos de boicote por ativistas pró-democracia ao redor da Ásia na semana de sua chegada às salas.

A polêmica gira em torno do apoio da atriz Liu Yifei, que interpreta a personagem principal do filme, à polícia de Hong Kong durante os protestos contra a controversa lei de extradição em 2019.

“Eu apoio a polícia de Hong Kong. Podem me atacar agora”, disse Yifei, que também é cidadã americana, na rede social Weibo.

A lei entrou em vigor quase um ano após o início das grandes manifestações pró-democracia na ex-colônia britânica contra a influência do governo central. O texto permite reprimir quatro tipos de crimes: atividades subversivas, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras, com sentenças que podem chegar à prisão perpétua.

Também acaba com a barreira legal que existia entre o Judiciário da cidade e os tribunais controlados pelo continente. A China continental pode assumir diretamente os casos em três situações: casos complexos de interferência estrangeira, ações consideradas “muito graves” e se existem “ameaças graves e reais” contra a segurança nacional. Outro dispositivo prevê a jurisdição universal para os crimes de segurança cometidos em outros países.

Ativistas pró-democracia na Tailândia e em Hong Kong aproveitaram a data e pediram pelo boicote ao longa.

Joshua Wong, principal ativista pró-democracia de Hong Kong, pediu o boicote ao filme usando as redes sociais. Wong acusa Yifei de ser “um ícone do autoritarismo traindo de bom grado os valores que Hollywood dá à personagem”. Na história do filme, Mulan é uma heroína que defende a China contra uma força invasora.

O ativista tailandês Netiwit Chotiphatphaisal também vem usando suas redes sociais para pedir o boicote ao filme.

“A Disney e o governo chinês sabem que a violência do Estado contra as pessoas é inaceitável”, escreveu.

Na Tailândia, manifestantes tomaram as ruas para protestar por reformas democráticas e contra “aquele que não deve ser nomeado”, em alusão ao monarca, que governa o país com apoio do Exército e mantém um Parlamento fantoche após um golpe militar em 2014. As manifestações ficarem conhecidas pela referência ao vilão dos livros da saga do bruxo Harry Potter, uma vez que é crime no país contrariar o rei.

O filme foi lançado nesta sexta-feira, 4, na plataforma de streaming da Disney nos Estados Unidos e em cinemas selecionados.

Continua após a publicidade

Cresta Help Chat
Send via WhatsApp
01511987618725